O prazer do texto, Roland Barthes

Barthes descreve nO Prazer do Texto acerca da relação de prazer que ocorre tanto com o leitor como com o autor. Mas como o autor afirma:

“O prazer do escritor é diferente do prazer do leitor.”

prazerO que me chamou atenção inicialmente foi a forma deliciosa que o autor escreve. Roland Barthes é conhecido por escrever livros críticos de uma forma mais poética. O texto nos dá exatamente essa sensação de PRAZER advindo da linguagem.

“O texto que o senhor escreve tem de me dar prova de que ele me deseja. Essa prova existe: é a escritura. A escritura é isto: a ciência das fruições da linguagem, seu kama-sutra (desta ciência, só há um tratado: a própria escritura).”

Barthes é um escritor, como a classificação do mesmo, um escritor sedutor. Ele menciona um prazer edipiano: um desnudar-se, conhecer algo. Nesse momento, quase vi a cena de prazer experienciada por um bom texto. O autor na sua frente desnudando-se para você. Você sente toda a dança de sedução e deseja mais… E como um bom Streep tease, necessita ser devagar, peça por peça…

Deixando um ar de espera, pois segundo o próprio Barthes: ”são livros do Desejo, pois estes livros representam a expectativa, a escalada.” Leitura feita palavra por palavra…

A minha primeira experiência erótica palavra por palavra foi Helena, de Machado de Assis. E foi delicioso! Senti-me por dentro da história. Apaixonei-me claro pelo Estácio… Enfim, percebi que já havia passado por essa experiência descrita pelo Barthes.

E a leitura da crítica? Segundo o autor, tornamo-nos voyeur… Observamos o prazer dos outro. E essa observação também me dar muito prazer. Barthes nos seduz com sua escrita, mostra que nos quer através da sua linguagem e também descreve momentos de prazer que nós já vivemos ou se não, ficamos morrendo de vontade de viver.

O Prazer do texto é um livro sobre sedução, sexo, amor, desnudamento, voyeurismo. Enfim, muito prazeroso… Você pode estar pensando, louca, são apenas palavras. E eu lhe responderei:

“eu sei que são apenas palavras, mas mesmo assim…”

Anúncios

Diário de um escritor, Fiódor Dostoiévski

Fortaleza, CE. Janeiro de 2015.download

Caro leitor,

Pensei em diversas maneiras de iniciar mais esta resenha e forçá-lo a pensar por si próprio sobre as diversas leituras que nos aprimora o conhecimento; em como será interessante para você ler o que aqui escrevo; em sua fuga do método tradicional, onde lês e não comenta o que outrora lera. Peço perdão se não fui muito claro, mas o meu desejo é tão somente ler as correspondências que dedicas a mim, tal qual a que dedico a vós. Antes de mais algo, feliz ano novo. Da parte que me refere, faço meus comentários sobre a obra titular desta carta, Diário de um escritor, de Dostoiévski. Tenho falado muito ultimamente deste magnífico escritor, e os motivos são óbvios. Vamos a mais alguns.

Com introdução de Otto Maria Carpeaux, assim se inicia a coletânea:

“O Diário de Um Escritor, de Dostoiévski, situa-se numa pausa do seu trabalho novelístico; foi escrito no intervalo entre a publicação do penúltimo e a do último romance.”

Carpeaux se refere às obras O Adolescente (1875) e Os Irmãos Karamázov (1880), que são, também, singulares. Entretanto são selecionados artigos de 1873, 1876 e 1879. Nele estão reunidas as suas mais diversas crônicas jornalísticas, desde ensaios que se tornaram obras à matérias memoráveis, como A Sentença, onde Dostoiévski aponta os motivos de uma “suicida por tédio”, matéria esta que lhe rendeu uma série de críticas.

Dostoiévski foi um escritor irreverente e não houve limites em suas narrativas. Explorou e ainda se deixa explorar ao longo dos anos. Admirado por Bielinski, prestou homenagens a grandes artistas, como a escritora George Sand (pseudônimo de Amandine Aurore Lucile Dupin) e o poeta N. A. Nekrassov,

Otto Maria Carpeaux declara:

“qualquer linha que ele escreveu é importante.”

Faço das palavras de Carpeaux as minhas.

Aqui finalizo esta carta reforçando meus votos de feliz ano novo e que você, notável leitor, possa atender ao meu singelo pedido. Por favor, COMENTE!

Att.:

Bibliografia

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Diário de um escritor. Tradução de E. Jacy Monteiro. Introdução de Otto Maria Carpeaux. Rio de Janeiro: Editora Ediouro, nº 1.