O Estrangeiro, Albert Camus.

Depois de algumas poucas horas de leitura me senti instigado a fazer um breve comentário a respeito deste romance dividido em duas partes.

Meursault, personagem principal da obra, tem sua vida cruzada por diversos eventos aparentementeo-estrangeiro chocantes para qualquer ser humano. Na primeira parte, logo de início, ele relata o falecimento de sua mãe. Mais tarde em como reencontra Marie, uma antiga amiga de trabalho, e sobre o recente relacionamento que ocorre entre eles.  Apresenta-nos seus vizinhos, um deles se chama Salamano, um senhor de idade que leva sempre consigo um cocker-spaniel, um cachorro também já velho, cheio de sarnas e quase sem pelos. O velho trata o pobre cão com muita impaciência e fala mal a todo instante. O outro se chama Raymond Sintès, um homem que acaba se metendo em confusão por causa de sua amante, que andava se aproveitando dele, e por isso a espancara até sangrar.

Na segunda parte, Meursault é preso ter matado um árabe e, em julgamento, é condenado à decapitação em praça pública. Isso acontece porque a vítima era irmão da amante de seu vizinho Raymond que, durante um passeio na praia, acaba sendo perseguido pelo árabe. Raymond, que estava acompanhado de Meursault, entrega-lhe uma arma para, caso fosse necessário, ele atirar no perseguidor. No entanto, o acaso se encarrega de toda a desgraça.

Por esta brevíssima resenha, tal como é a obra, diríamos que nada há de especial nela… A não ser o seu detalhe crucial. Meursalt NÃO É qualquer ser humano. Numa palavra, sua importância está no significado do sujeito titular do romance: estrangeiro. Seus eventos chocantes, como mencionado há pouco, os são ainda mais pelo fato de ele não esboçar a menor reação com o falecimento da mãe, ou não dar a mínima se irá se casar com Marie – pior, se a ama –, ou a frialdade em anunciar que os cães, quando recolhidos pela carrocinha – falava ao senhor Salamano, que havia perdido o cachorro –, ficam disponíveis ao dono por apenas três dias, mas que, depois, se ninguém fosse busca-los, faziam o que bem entendiam, ou a indiferença ao concordar em participar, mesmo que indiretamente, do plano de Raymond, enviando uma carta ameaçadora a amante deste, resultando em mais outro espancamento. Entretanto, seu mundo parece abalar-se com o crime que comete.

“E era como se desse quatro batidas secas na porta da desgraça.”

Albert Camus nos apresenta em seu romance o que outrora desenvolvera no ensaio O Mito de Sísifo, ao lança-las simultaneamente em 1942. Tanto uma quanto a outra discorrem sobre a importância da vida, afinal, quê há de mais importante que a vida? E a resposta seria a rejeição da própria vida em nome de algo que valha mais, em busca de um sentido. Seria tudo muito simples se não fosse o fato de que nada há de importante. Leitor dedicado de Dostoiévski, não será surpresa se compararmos Meursault ao clássico e “super inteligente” estudante Raskólnikov, de Crime e Castigo. Ambos cometem um crime e sofrem um castigo. Ambos, no final de cada obra, encontram a paz merecida. Ambas as personagens revelam muito de cada autor.

Cento e vinte e oito páginas de peso extremo e essencialmente existencialista. Obra refletida no absurdo, assinada por este que é considerado um gênio do século XX, agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1957.

Bibliografia

CAMUS, Albert. O Estrangeiro. Tradução de Valerie Rumjanek. 30ª ed. RJ: Record, 2009.

Anúncios

2 comentários

    • Luíza, primeiramente, obrigado por seu comentário e, depois, perdoe-me a demora a lhe responder. No momento estou lendo “O mito de Sísifo”. Também considero, tanto o livro quanto a escrita de Camus, impecáveis. Entretanto, “O mito de Sísifo” me está sendo deveras complicado. Voltei ao começo umas três, quatro vezes e estanquei no “sacrifício do Intelecto”, que é proposto por Ignácio de Loyola. “O estrangeiro” é um romance de leitura, digamos, agradável, embora exija a mesma atenção do livro anteriormente mencionado. Lidar com a crise existente no homem não é algo fácil. Espero que leia. Lhe será adorável, e um tanto perturbador.

      Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s