Rei Lear, Shakespeare

As peças do Shakespeare não são fáceis, mas exercem um fascínio nos seus expectadores e nos leitores há vários séculos. Harold Bloom em seu livro “Shakespeare: A invenção do Humano” chegou a afirmar e defender que Shakespeare criou o conceito de homemdownload que nós conhecemos hoje. Qual seria a explicação do sucesso?

Shakespeare cria personagens que a partir de agora passam por transformações. Isso pode parecer comum hoje, mas na sua época foi revolucionário. As epopéias, tragédias e comédias antigas possuíam personagens arquetípicos, onde suas ações eram baseadas em características absolutas. Vejam o caso do jovem Aquiles, suas ações são baseadas em coragem e heroísmo. Ninguém pensaria o personagem descobrindo que não quer mais ser herói e passando por uma mudança de perspectiva. Já os personagens de Shakespeare mudam, refletem, transformam, como é o caso do nosso Rei Lear.

A tragédia inicia nos contando como o Rei Lear testa o amor de suas filhas e onde apenas Cornélia admite que ama o pai apenas como filha e nada mais. O Rei irritado deserda sua favorita e faz dela banida. O duque de Kent intercede pela moça e também acaba banido do reino. Mas este volta como Caio e oferece seus serviços ao confuso rei. Suas outras filhas tramam fazer de seu pai caduco pelas suas costas, mas o rei não acredita quando sabe dos seus planos.

O personagem mais interessante é o bobo, onde suas reflexões e piadas trazem a luz o que ocorre nos bastidores do reino. Ele surge como uma espécie de consciência para o pobre Lear. Ao passo que suas falas são os trechos cômicos da peça, também os são os trechos mais filosóficos. Suas reflexões ocorrem em momentos onde o Rei deve pensar e refletir acerca do que faz. É através dessas reflexões que o Rei Lear se apercebe da traição de suas filhas. E o mais interessante disso tudo é que nesse momento de lucidez do rei, o bobo tem sua voz calada dentro da trama.

A mudança de perspectiva do Rei Lear é bastante inovadora e diferente para época. Podemos perceber um pequeno traço do conceito de homem moderno, traçado por Shakespeare muito antes da Modernidade surgir. Além de engraçada e triste, a peça “Rei Lear” é bastante reflexiva acerca da morte, da velhice, do amor parental.

Excelente começo para adentrar a obra imortalizada de Shakespeare!

Editora: LP&M Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s