Os sinos de Encarnação, de Angela Gutiérrez

ANGELA GUTIERRES

As terras onde não se ouve a pancada do mar, só as conheci de verdade – não apenas de ver, mas de viver -, nas páginas de narradores do sertão e dos gerais. Quem viajar pelas pequenas histórias que se seguem encontrará viventes que brotaram pelas serras, às margens dos rios, em pequenas vilas, nas minhas terras de dentro.  (2012, p.5).

Os sinos de Encarnação nos convida a adentrar nas terras de dentro da Angela Gutiérrez… Logo no início, Angela desculpa-se por não ter a vivência do interior, mas afirma que seu sertão foi apreendido pela mesma através dos livros. E é através do seu livro que também iremos apreender esse universo interiorano construído pela autora. O livro é composto por vinte pequenos contos que são costurados e bordados em uma grande colcha por Encarnação. Suas histórias são interligadas como se estivéssemos ouvindo-as ao redor de uma fogueira como eram costumes antigos. A leitura do mesmo encheu meus dias de poesia, leveza e fortes sentimentos.

Os contos que unem as histórias são As Cartas de Mabel e As Histórias que Mabel não podia contar. Neles conhecemos Mabel, uma mulher curiosa que adora escrever cartas acerca das histórias que escuta pela sua cidade. Mabel será uma especie de contadora de história que ao final do livro fará o arremate com todos os contos. Outra figura de igual importância já citada anteriormente é Encarnação. A andarilha fará a caminhada juntamente conosco para que possamos apreender tudo o que nos será contado. As duas figuras fazem o papel de bordadeiras, costurando e bordando os contos para que juntos formem o relato de um povo.

O conto que dá título ao livro nos conta a história de Encarnação. Os sinos representam os acontecimentos mais importantes do povoado. É o chamado aos homens para saírem em comissão para levar ajuda, palavras de consolo. A moça passa a acompanhar o cortejo quando seu pai tinha morrido e seu irmão mais velho fora se embora da cidade. Logo no primeiro conto, a moça conhece um rapaz que será seu noivo, mas para seu desalento, o rapaz morre assassinado antes do casamento. O acontecimento permite a menina continuar seu trabalho de eremita. A figura de Encarnação passa a ser como uma espécie de Nossa Senhora que leva esperança e consolo aos precisados e conselhos aos desesperados. em praticamente todos os contos, Encarnação surge nos mostrando as ligações e costuras.

Os contos relembram ao leitor nordestino algumas festas de santos que representam ao povo interiorano as únicas festas realizadas na região. Em Malhação de Judas, revivemos a festa onde como bons cristãos nos vingamos de Judas, traidor de Jesus. A metáfora entre a malhação do boneco e a morte de um primo nos faz rever pontos de vista em cada história. Principalmente ao conhecermos João, personagem principal de Céu de Carneirinho, onde conhecemos o outro lado da história da malhação de Judas. Outras ligações entre os contos deixo para o leitor mais atento descobrir…

Os contos que vi maior beleza foram Os Azeite de Quirina e Café Donzelo, onde a linguagem popular misturada a poesia me levou a admirar o estilo de escrita dessa escritora. A beleza das palavras e da forma como suas histórias são construídas nos levam a viajar para os vilarejos. O primeiro conto nos fala de um casal que vive uma situação muito comum. O casamento já faz tanto tempo que o casal já não mostram sua paixão um pelo outro. Mas será que não há mais amor? O segundo conto nos fala de um garotinho que resolve fazer algo diferente das demais pessoas da comunidade. Mas seus conterrâneos não vêem isso com bons olhos… Mas a imaginação do garoto o salva dos julgamentos.

 

E Quirina tinha que ficar esperando. E eu ia botar um cadeado nela e levava a chave comigo. A Quirina era muito cheia de fogo! E eu era cheio de fogo também. A Quirina, eu chamava a quirina de meu bem. E ela me dizia no meu ouvido: meu home. Até hoje eu me arrupio. Meu home! E a gente dormia numa rede só, juntinho. (2012, p.92)

… depois percebia que voava, voava para outro lugar, um lugar onde se podia tomar café donzelo feito pela avó e ninguém ia reclamar. Um lugar onde não tinha pai, um lugar onde tinha a mãe que ele nunca conheceu. (2012, p. 105)

 

A escrita de Angela Gutiérrez é recheada de expressões próprias do interior nordestino, mas percebe-se também que algumas são criações da mente imaginativa da autora. A leveza e a poesia contida na sua linguagem nos faz viajar pelo seu universo e desejar estar lá nem que seja por alguns poucos minutos. A leveza apresentada por sua escrita nos surpreende principalmente no conto A Bruxinha da Naninha, onde a autora narra uma cena de tentativa de abuso de uma criança, cenas infelizmente tão comuns no Nordeste Brasileiro, com uma linguagem tão poética, tão bela que o leitor não chocasse tanto, mas ao mesmo tempo, choca-se com a naturalidade exposta na cena.

A pintura N. Sra. do Ó ,vista abaixo compõe a capa do livro e é do pintor José dos Reis Carvalho. Podemos ver a referência aos sinos que chamavam Encarnação a caminhar e a religiosidade tão marcante no livro.

aa8d34110c1b49cc32f37cd125680241

Autora

Angela Maria Rossas Mota de Gutiérrez nasceu no casarão de seu bisavô, Tomás Pompeu, em Fortaleza e aqui sempre viveu.  Construiu sua carreira acadêmica na Universidade Federal do Ceará. Atualmente é membro da Academia Cearense de Letras desde 1997. Suas obras publicadas foram: O Mundo de Flora (romance, 1990), Canção de Menina (poesia, 1997), Avis Rara (narrativas, 2001), Luzes de Paris e o fogo de Canudos (romance, 2006) e o mais atual Os sinos de Encarnação (contos, 2012).

Anúncios

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s